Material feito de celulose e teias de aranha pode substituir o plástico

Estudo conduzido na Finlândia apresenta alternativa resistente e completamente biodegradável para diversos usos do plástico

0

O plástico é resistente, flexível e é usado em larga escala no mundo inteiro. Pela enorme quantidade deste material no planeta e por sua durabilidade, ele é também uma ameaça ao meio ambiente. Entre as soluções possíveis está a substituição do plástico por materiais que também sejam resistentes e flexíveis, mas que se decomponham.

Substituto a altura

Um estudo conduzido por pesquisadores da Finlândia mostra que, com a ajuda das aranhas e das árvores, é possível produzir um substituto ao plástico. Em um artigo publicado na Science Advances, os cientistas afirmam ter desenvolvido um novo material usando fibras de celulose de madeira e a proteína encontrada nas teias de aranha.

Leia Também
1 De 76

O resultado é um substituto ao plástico, forte, flexível mas que não vai poluir o planeta. Os pesquisadores acreditam que este material possa substituir o plástico em todos os seus usos, das aplicações industriais às embalagens.

“Usamos a polpa de bétula, a transformamos em nanofibras de celulose e alinhamos estas fibras em um andaime rígido. Ao mesmo tempo, infiltramos na rede de celulose uma matriz adesiva de teias de aranha”, explica Pezhman Mohammadi, um dos responsáveis pelo projeto.

Com materiais disponíveis na natureza, os pesquisadores acreditam ter criado um material que pode substituir o plástico em seus diversos usos, mas que é biodegradável.

Produção 

Para produzir este material em grande escala, não será necessária uma única aranha. Isto porque não são usadas teias de aranha reais, mas uma reprodução dos fios que usa bactérias com DNA sintético. “Pelo nosso conhecimento a respeito da estrutura do DNA, podemos copiar e usar esta estrutura para fabricar moléculas de proteína de seda similares às que encontramos na teia de aranha”, conta Markus Linder, pesquisador da Universidade de Aalto que está liderando o projeto.

Fonte: Ciclo Vivo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Show Buttons
Hide Buttons