Aplicativo facilita trabalho de catadores de resíduos

0

A ferramenta conecta catadores a cidadãos preocupados com a reciclagem

cataki

Uma ideia simples: cadastrar em um aplicativo pessoas interessadas em descartar resíduos e pessoas que transformam tais descartes em sua renda. Com essa finalidade, nasceu o Cataki.

Leia Também
1 De 385

Tudo começou com o projeto Pimp My Carroça, idealizado pelo grafiteiro Mundano, que passou a conviver com os catadores e indicá-los. Conforme a situação foi crescendo, ele teve a ideia de fazer um aplicativo que pudesse facilitar esse contato.

Os catadores são responsáveis por aproximadamente 90% do lixo que é retirado das ruas no Brasil e retiram toda a sua renda deste trabalho. Segundo o site do aplicativo, plástico e papelão valem cerca de R$ 0,20/kg, enquanto o vidro vale R$ 0,05/kg.

Após se cadastrarem no app, os catadores recebem ligação dos usuários que queiram descartar algum resíduo próximo de suas localizações. Claudio, catador de lixo na cidade de São Paulo, disse em entrevista ao G1, que utilizar o app aumentou significativamente a sua demanda e sua renda.

A novidade custou R$ 160 mil e, em meio a dois mil projetos, foi uma das dez inovações tecnológicas globais selecionadas pelo Netexplo, observatório independente de estudos sobre o impacto de tecnologias na sociedade e nos negócios, em parceria com a Unesco.

“Lutamos pelo reconhecimento dos catadores de lixo, que são verdadeiros agentes ambientais. O app é uma forma alternativa de aumentar a renda dos catadores com um benefício ambiental sem preço”, disse Mundano, na cerimônia de premiação na sede da Unesco, em Paris.

Uma nova versão do aplicativo está em desenvolvimento. Nela, os usuários poderão mandar fotos dos resíduos que pretendem descartar e, assim, os catadores poderão aceitar ou não o trabalho e sugerir um preço para o cliente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Show Buttons
Hide Buttons